Como engajar seu público nas mídias sociais

banner

Como engajar seu público nas mídias sociais

Você sabe quais são as tendências para engajar seu público nas mídias sociais?

Pois é, tem muito a ver com o bom e velho boca a boca… Mas, claro, com conteúdo qualificado, linguagem específica e formatação adequada para os “bancos das praças” virtuais.

Explico: isso, entre outras observações importantes, é o que aponta o 3º relatório anual do Hootsuite sobre as tendências das mídias sociais para 2018.

O documento compilou entrevistas com 308 profissionais de marketing social e 38 especialistas da indústria, dados globais sobre a evolução do ROI Social (Return On Investment, retorno sobre o investimento) da Altimeter e Hootsuite; e relatórios de analistas da Edelman, Gartner, GlobalWebIndex, L2, Forrester, Econsultancy, Kleiner Perkins, Deloitte e McKinsey & Company.

Para começar, a importância das mídias sociais para empresas e marcas continuará aumentando, mas mudanças relevantes entre 2016 e 2017 podem determinar o sucesso ou o fracasso do seu investimento para atrair, engajar, fidelizar e fazer negócios com seus clientes.

É claro que a realidade e os objetivos são específicos para cada negócio, contudo algumas tendências, já percebidas anteriormente, estão sendo confirmadas por pesquisas quantitativas e qualitativas e valem para todos.

Além da pesquisa do Hootsuite, estudei algumas outras e contrastei com a opinião de experts no assunto para apresentar o que vem a seguir… As tendências para a comunicação profissional nas redes sociais, na medida do possível.

O resumo da ópera (entre aquelas acessíveis com baixos investimentos) é:

1-   Vídeos para celulares –

46% dos entrevistados dizem que já estão produzindo vídeos e outros 26%, planejando implementar em 2018. Pode parecer óbvio, neh?

A novidade é que isso significa que o vídeo social está rapidamente conquistando uma vantagem algorítmica, especialmente se for em transmissão ao vivo.

Isso ocorre também porque o uso de dispositivos móveis, como celulares, segue crescendo no acesso às mídias sociais. Nestes devices, o consumo de vídeos é ainda mais preferencial pelos usuários.

Ou seja, seu vídeo tem muito mais chance de ser visualizado e curtido mas, para conseguir levar mais consumidores ao próximo passo, é preciso ir além disso.

2-   Outras fases do funil –

Quem investe e trabalha com mídias sociais percebeu que simplesmente ter visualizações ou curtidas – ainda mais quando são de robots ou público desqualificado – não vale nem como vaidade.

Chamar a atenção no topo do funil de vendas é importante, claro, mas é insuficiente para gerar negócios ou engajar pessoas, mesmo se o objetivo é puramente fixar uma marca ou um conceito.

É preciso material atrativo para levar as pessoas às próximas fases da jornada do cliente até a compra ou fidelização. A chave está no conteúdo (content marketing) e no caminho que o internauta (User Experience, UX) vai percorrer. E tem mais…

3-   Boca a boca

Quando digo boca a boca, me refiro àquela comunicação feita diretamente a um grupo de pessoas em que cada um pode ser atendido com atenção e, assim, transformar em confiança o interesse já despertado.

As chamadas fake news e o bombardeio de propaganda em todos os ambientes estão saturando cada vez mais as pessoas… Até os mega-influenciadores estão perdendo espaço.

Pela primeira vez, consumidores acreditam em colegas tanto quanto em especialistas e mais do que em CEO´s, políticos ou acadêmicos.

Por isso, cada vez mais gente dá atenção somente a quem confia. É muito provável que seu cliente seja esta pessoa.

Pois bem, quando as “praças” são as mídias sociais, isso significa sentar no banco e dialogar, humanamente, com seu novo parceiro.

É perfeitamente possível conseguir isso para sua marca, produto ou empresa.

4-   Insights sociais

Falar com seus clientes, seguidores, consumidores e admiradores tem muitos benefícios, além da vaidade ou da venda de produtos. As conversas trazem insights, apontam tendências, melhoram serviços e produtos e criam fidelização.

Pessoas que foram conquistadas, te defenderão – muitas vezes como a si próprias, divulgarão sua marca e potencializarão a sustentabilidade de seu negócio. E como alcançar isso se não se fala com elas? Não é impossível mas é muito mais difícil. E por quê, não? Clientofobia?

Jornalista interessado pelo mundo e as pessoas. Mestre em novas tendências do jornalismo (UCM-USP). Especialista em agronegócio (FGV) e em marketing digital (FIT).


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Menu Title